terça-feira, maio 01, 2007

Mar(asmo) ...


A noite caia como caiam os seus braços depois de mais um dia em que a inspiração faltava e não conseguira escrever fosse o que fosse ... as ideias espreitavam e escondiam-se de seguida, como se brincassem às escondidas com a sua memória ... como se lhe apontassem com a luz de uma lanterna que imediatamente se apagava quando a tentava seguir ... sentia-se vazia ... mas ao mesmo tempo com o desejo de ser preenchida com mais do que o meio copo de vinho tinto que tinha à sua frente ...

Fechou os olhos ...

O mar ... sempre o mar, companheiro que sussura incessantemente a mesma melodia que parecia responder sem hesitar a todas as perguntas que não tinha a coragem de fazer a sí própria, ou mesmo àquelas que nunca se lembrara de perguntar ... o mar estava ali agora mesmo à sua frente ... com a sua monstruosa imensidão, a sua inquientante infinitude, a sua inconfundível paleta de cores ... e ela inspirava cada cheiro, sentia no rosto o toque gelado de cada gota salgada, ouvia o bater das ondas nas rochas como se murmurassem segredos que ambos partilhavam, que eram só seus ...

Como foi ali parar ? Porque é que fora ali parar ? Não quis pensar nisso ...

Sorriu e descalçou-se para que a areia lhe massajasse os pés no caminho de regresso ... olhou para trás e abriu os olhos o mais que pode como se isso significasse poder trazer ainda mais imagens daquele momento, e voltou para o carro. Conduziu de volta a casa embalada ainda pela serenidade de uma mão invisível que a afagara ... aquela casa que agora parecia ter estampadas de volta as cores vivas que inundavam as paredes e das quais tanto gostava ... sentou-se e escreveu ... a noite toda ... com um sorriso que se colara no seu rosto como um cromo de uma qualquer caderneta antiga ...

Caracolinha Pé Na Areia ... :)

5 comentários:

Belzebu disse...

Estas não são areias na engrenagem! Se nos acompanham para casa, é porque foram realmente importantes no nosso percurso! E depois temos o mar...esse depósito de sonhos e imagens que nos estimula a criatividade e nos dá asas sem "Red Bull".

eheh!! Saudações infernais para a minha molusca preferida!

Era uma vez um Girassol disse...

Que texto tão inspirador, Caracolinha!
O mar, sempre o mar para levar as nossas incertezas, inseguranças, mágoas e renascermos cheios de energia!!!
Lindo e pouco usual em ti...
Hummmmmm.......
Beijokas na casca dourada pelo sol

wind disse...

Lindo!:)
Eu sabia que escrevias assim, sempre senti:)
beijos

Mocho Falante disse...

Aqui está a minha caracolinha no seu melhor, isto sim é algo que poucos conhecem de ti mas que eu não me canso de me gabar que sou um sortudo por te conhecer em toda a tua plenitude.

Há aí um toque de nostalgia que me preocupa um nico, mas vou acreditar que está tudo bem, porque tu sabes que estou aqui as 24 horas para ti...para rirmos e para cho...

babas

Betty Branco Martins disse...

Olá Minha querida

Estou de volta:))

Obrigada pela visita.

Volto mais tarde para te ler e comentar

Beijos com carinho