quarta-feira, junho 29, 2005

O meu Cão ...


Fui dar contigo por acaso num dia em que pensava em tudo menos encontrar-te. O calor puxava-me para a sombra, e para ti, mesmo sem o saber.

Quando te vi pela primeira vez já estavas em boas mãos, nas mãos que primeiro me abraçaram, nas mãos de quem me deu a mim a vida. E que bem que estavas, parecia até que sorrias. Mas sim, sorrias mesmo, sorrias para mim como se soubesses que nunca mais nos íamos separar. Sorrias para mim como se já me adivinhasses todos os pensamentos, como se já pressentisses que era contigo que queria ficar. Como se já me conhecesses, como se sempre me tivesses conhecido.

Assim que te peguei ao colo soube que sempre foras meu ... cabias-me na mão, de tão pequenino que eras. Moldaste-te à minha mão. Moldaste-te a mim. Senti-te seguro. Dei-te festas na esperança de te poder fazer sentir tão bem como tu já me estavas a fazer sentir a mim ... recebeste-as como quem recebe algo completamente novo e eu sorri, e voltei a sorrir sem conseguir parar ao sentir que a partir daquele dia não ia mais deixar que nada de mal te acontecesse.

Lembro-me do homem que te trazia, lembro-me do desapego com que esticou a mão e me disse que te podia trazer porque ele tinha muitos iguais a ti... era um tonto aquele homem ... como se houvesse outro igual a ti !!!!

Lembro-me quando te apercebeste que o espaço de casa não ia ser só partilhado por nós dois... lembro-me de ter assistido ao primeiro olhar que vocês, dois dos grandes amores da minha vida, trocaram ... lembro-me da alegria que foi, das lágrimas de emoção que rolaram, dos pulos de alegria ... e dos minutos que ambos passávamos a contemplar-te... como se só tu existisses. E nada mais.

Lembro-me das visitas dos amigos ... foi um vai e vem de «tias» e «tios», todos a trazerem-te prendas e a apaparicar-te e tu, que mal davas meia dúzia de passos sem adormeceres, de pequenino que eras, chegavas a todos os carinhos e nunca desapontavas ninguém ...

Lembro-me de te desfazermos os granulados que comias em água porque nem sequer tinhas dentes para os mastigar e de comeres aquela papa esmagada por nós com a mesma sofreguidão com que a terra absorve a água das primeiras chuvas, como que a dizeres que querias viver para nos fazeres muito felizes.

Lembro-me dos teus xixis que povoavam a casa ... tantos e tão pequeninos, que pareciam gotinhas de chuva.

Lembro-me das primeiras vacinas, da primeira ida à rua, e da primeira vez que as almofadinhas das tuas patas sentiram a areia da praia ... como correste... correste como se o mundo todo se resumisse àquele areal, e tu estivesses a perscrutar cada continente, com a minúcia de um qualquer explorador.

Vi-te crescer e partilho contigo o privilégio de seres meu, há três anos, vividos sempre com a intensidade que tu pões em tudo aquilo que me dás.

Não falas. Nem precisas. Dizes-me tudo aquilo que queres e sentes-me antes de entrar pela porta. Conheces o meu cheiro. A minha voz, consegues distingui-la em todo o lado. Brincas comigo e fazes-me recordar tempos em que me rebolava no chão a rir à gargalhada de uma piada que só eu entendia. Como brincamos e nos divertimos os dois até ficarmos de língua de fora de tão cansados de pular e saltar. Como me desafias. Como aprendeste tudo. Como me ensinaste ...

Por isso, meu amigo de todas as horas, conto sempre contigo para me espelhares os sorrisos e me lamberes as lágrimas.

Adoro-te meu Cão.

Caracol Reconhecido

19 comentários:

Anónimo disse...

Agora sim, fizeste-me chorar.
Que isto não se volte a repetir, ok?

nasnalgas disse...

Sim...fui eu que fiz o comentário anterior, o meu orgulho não me permitiu indentificar-me. Mas agora pensei bem e resolvi dar parte fraca porque a minha cadela tambem é um dos seres vivos mais importantes da minha vida...

Abelhinha disse...

É fabuloso quando conseguimos ligar-nos assim aos nossos amigos de 4 patas!

Sei exactamente como sentes!

Beijinhos com mel ao teu cãozinho.

Caracolinha disse...

Obrigada a vocês as duas pelo carinho. Imagino sim, que percebam exactamente do que falo uma vez que partilham comigo a mesma paixão e o mesmo reconhecimento por estes que são, sem nenhuma dúvida, os nossos fieis amigos.

Lembrei-me muito de ti abelhinha quando escrevi este post. O teu gesto magnifico deste fim de semana esteve na base da minha iniciativa e o meu cão mais lindo do mundo serviu-me de inspiração.

Beijo gordo às duas.

Caracol Enternecido ~:o)

Mocho Falante disse...

até para se ser cão é preciso ter sorte,pois apesar de ter ficado sem as minha lindas plantas não deixo de ser um tio babado desse monstrinho de 4 patas.

A Alice e Ice mandam lambidelas de saudade

Bábas caninos

Anónimo disse...

O bicho é como se fosse meu filho!!

Caracolinha disse...

Meu Mocho mais lindo ... aproveito a oportunidade para te informar que tu não és tio do cão mais lindo do mundo... nem uma pessoa como tu, com a importância que tens nas nossas vidas, se poderia ficar por ai... tu foste eleito, e se não sabes ficas a saber, por votação esmagadora, 3 votos a favor (cão incluído) e zero contra, PADRINHO do teu menino de 4 patas... sim porque ele, mimado como é, tem duas madrinhas e dois padrinhos... com ele é tudo à grande.

Uma beijoca gorda ao padrinho mais lindo do mundo e uma lambidela do teu afilhado !!!!

Bába

Caracol Familiar ~:o)

Caracolinha disse...

Ao Sr Anónimo ...

O "bicho", como lhe chama, não "é como se fosse seu filho" ... o "bicho", como lhe chama, e salvo as devidas diferenças, É A SUA CARA !!!!

Bem sai a ti com aquele ar descontraído e de bem com a vida.

Bábas GORDOS (humanos e caninos)

Caracol Anónimo

Vespinha disse...

Um animal adorável,de facto!
Para quando uma ninhada de Freudinhos?

A Vespinha ama de Freud

Mocho Falante disse...

Bom ele até pode ser um amor, agora por favor descendência é que não, caso contrário as minhas plantas viram esparregado!!!!

LUA DE LOBOS disse...

ehehehe
como eles (cães) são sabidões... têm cá uma técnica de baixar as palpebras e virar cachorro abandonado::::))) uma bjoka fofa ao teu cãozinho... que encanto de post!!!

Caracolinha disse...

Olá querida Lua de Lobos ... é com essa "técnica" do cachorro abandonado que eles nos levam ... nem mais !!!!

Um verdadeiro encanto é tu vires aqui deixar essas palavras tão carinhosas.

Um beijo GRANDE !!!!

PS. Já estás no meu msn !!!!

Anónimo disse...

IIIIHHH!!!!!
Ó Caracoletinha, hoje não vai dar!...
....Para te escrever palavras lindas que tu tanto e cada vez mais mereces.
Mas é que ainda estou na Companhia e estou super atrasada.
Por isso te escrevo uma simples e tão significativa palavra!
ADORO-TE!!!!!!!!!!!
PS: Prometo que vou estar sempre de olho no teu "Snail Tale"!

Muitos beijinhos e obrigada por tudo....
Cat

Formiguinha disse...

Que texto tão bonito. Fiquei tua fã. Eu também amo o meu cão tal como tu. Já veio adulto e com uma história mto triste, mas é o meu menino. Que seria da minha vida sem ele?

Mitsou disse...

Adorei a tua visita e agora (meio incógnita) venho retribuir-ta. Só podes ser uma pessoa especial pelo que li até agora. E este post tocou-me particularmente. Se andares para trás uns meses, no meu blog, entenderás porquê. Agora estou arredada mas, quando voltar, hei-de cá vir com regularidade, podes ter a certeza. Mil beijinhos doces como tu.

Caracolinha disse...

Mitsou e Formiguinha ... um beijo GORDO às duas ... benvindas à minha casquinha que tem sempre uma porta aberta para regressarem...

guevara disse...

"Adoro-te meu cão"

Adorei!!!!

;)

Isabel Magalhães disse...

Querida Caracolinha,

Eu já tinha dito que aqui "estou em casa"... mas nunca é demais repetir "Aqui estou com a minha gente".

Um post de uma ternura imensa... quem já recolheu um animal - abandonado ou não - entende tudo o que tão lindamente descreves.

No meu blog no dia 2/10/04 está a foto dos meus cães e a história da "Piccolina"; gostaria muito que a lesses.

Um beijinho sem caracois. :)

Anónimo disse...

Excellent, love it! » »