quinta-feira, agosto 11, 2005

Porcos e Ratos ...

Em primeiro lugar queria pedir-vos desculpa pelo tamanho descomunal deste post ... mas teve que ser porque é mesmo assim ... uma ideia leva a outra ...

Uma grande amiga (Olá FOCA !!!!) enviou-me hoje, por mail, este magnífico texto que reproduzo mais abaixo, a castanho. A ideia nele contida fez-me lembrar um dos livros mais espectaculares que já li ... O Triunfo dos Porcos de George Orwell ...


O Triunfo dos Porcos é um livro cheio de simbolismo, uma sátira à Revolução Russa ... a história passa-se numa quinta algures em Inglaterra, e tudo começa quando o porco mais velho que lá habitava (o velho Major) convoca todos os restantes animais para uma reunião secreta e lhes fala do sonho de uma revolução contra o dono da quinta, o Sr Jones. Contudo, alguns dias depois, o porco Major morre ... mas a semente da ideia contida no seu discurso dá, a outros dois porcos, Napoleon e Snowball (mais inteligentes e com ideias diferentes) ... uma nova visão de vida...

Este é o mote para o início de uma fantástica história que aconselho vivamente, a quem ainda não leu.

Fica aqui então o texto que me enviou a minha amiga, para vos abrir o apetite para o livro ... no livro mudam as personagens principais da história ... na história enviada pela minha amiga são ratos, no livro são porcos... mas a mensagem é muito similar e dá muito que pensar ....

O Sonho Dos Ratos (Rubens Alves, 07/12/2004)

Era uma vez um bando de ratos que vivia no buraco do soalho de uma casa velha. Havia ratos de todos os tipos: grandes e pequenos, pretos e brancos, velhos e jovens, fortes e fracos, do campo e da cidade.

Mas ninguém ligava às diferenças, porque todos estavam irmanados em torno de um sonho comum: um queijo enorme, amarelo, cheiroso, bem pertinho dos seus narizes.

Comer o queijo seria a suprema felicidade...

Bem pertinho é modo de dizer. Na verdade, o queijo estava imensamente longe, porque entre ele e os ratos estava um gato... O gato era malvado, tinha dentes afiados e nunca adormecia. Por vezes fingia dormir. Mas bastava que um ratinho mais corajoso se aventurasse para fora do buraco para que o gato desse um pulo e ... era uma vez um ratinho...

Os ratos odiavam o gato. Quanto mais o odiavam mais irmãos se sentiam. O ódio a um inimigo comum tornava-os cúmplices de um mesmo desejo: queriam que o gato morresse ou sonhavam com um cachorro...

Como não podiam fazer nada, reuniram-se para conversar. Faziam discursos, denunciavam o comportamento do gato (não se sabe bem a quem), e chegaram mesmo a escrever livros com a crítica filosófica dos gatos.

Diziam que chegaria o dia em que os gatos seriam abolidos e todos seriam iguais. «Quando se estabelecer a ditadura dos ratos», diziam... «então todos serão felizes...» - «O queijo é grande o bastante para todos», dizia um. - «Socializaremos o queijo», dizia outro. Todos batiam palmas e cantavam as mesmas canções. Era comovente ver tanta fraternidade. Como seria bonito quando o gato morresse!

Sonhavam. Nos seus sonhos comiam o queijo. E quanto mais o comiam, mais ele crescia. Porque esta é uma das propriedades dos queijos sonhados: não diminuem: crescem sempre.

E marchavam juntos, rabos entrelaçados, gritando: «o queijo, já...»

Sem que ninguém pudesse explicar como, o facto é que, ao acordarem, numa bela manhã, o gato tinha desaparecido. O queijo continuava lá, mais belo do que nunca. Bastaria dar uns poucos passos para fora do buraco. Olharam cuidadosamente ao redor. Tudo aquilo poderia ser um truque do gato. Mas não era. O gato havia desaparecido mesmo. Chegara o dia glorioso, e dos ratos surgiu um brado retumbante de alegria.

Todos se lançaram ao queijo, irmanados numa fome comum. E foi então que a transformação aconteceu. Bastou a primeira dentada. Compreenderam, repentinamente, que os queijos de verdade são diferentes dos queijos sonhados. Quando comidos, em vez de crescer, diminuem.

Assim, quanto maior o número de ratos a comer o queijo, menor o naco para cada um. Os ratos começaram a olhar uns para os outros como se fossem inimigos. Olharam, cada um para a boca dos outros, para ver a quantidade de queijo que haviam comido.

E os olhares enfureceram-se. Arreganharam os dentes. Esqueceram-se do gato. Agora eles eram os seus próprios inimigos. A luta começou. Os mais fortes expulsaram os mais fracos à dentada. E, de seguida, começaram a lutar entre si. Alguns ameaçaram chamar o gato, alegando que só assim se restabeleceria a ordem.

O projecto de socialização do queijo foi aprovado nos seguintes termos: «Qualquer pedaço de queijo poderá ser tirado aos seus proprietários para ser dado aos ratos magros, desde que esse pedaço tenha sido abandonado pelo dono». Mas como rato algum jamais abandonou um queijo, os ratos magros foram condenados a ficar à espera...

Os ratinhos magros, de dentro do buraco escuro, não podiam compreender o que estava a acontecer. O mais inexplicável era a transformação que se operara no focinho dos ratos fortes, agora donos do queijo. Tinham parecenças impressionantes com o gato... o olhar malvado, os dentes à mostra...

Os ratos magros nem sequer conseguiam perceber a diferença entre o gato antigo e os ratos de agora. E compreenderam, então, que não havia diferença alguma. Pois todo rato que fica dono do queijo vira gato.

Não é por acaso que os nomes são tão parecidos...

Caracolinha Contadora de Histórias

20 comentários:

nasnalgas disse...

Caracol, deixa-me dizer-te que infelimente esta história é-me familiar, todos os dias de uma forma ou de outra acabo sempre por me deparar com a ganancia no seu estado mais puro.
A partir de agora quando olhar à minha volta vou imaginar que algumas pessoas são ratos e penso:
" é melhor dar um desconto, afinal de contas são animais, não pensam"...

Vespinha disse...

Pequenota,

Como sabes, "O Triunfo dos Porcos" faz parte da lista dos livros da minha vida.

Infelizmente,o livro não me faz lembrar apenas uma revolução.Antes fosse!O mundo estaria bem melhor se nos pudessemos cingir a isso.

Faz-me lembrar o "Triunfo das PorcAs",recordas-te?

Faz-me lembrar as histórias que se contam em todos os locais de emprego.

Faz-me lembrar o Michael Moore à porta do Senado a chegar à conclusão que não existe um único filho de um senador no Iraque!Apesar de eles - os senadores - incentivarem a pequenada a lutar pela pátria!

Erro crasso o dos ratos quando dizem: "com a ditadura dos ratos é que vai ser bom!".
Nenhuma ditadura é boa!

Bába de Vespinha (renovadora)com os pés bem assentes na terra ( a quem a trabalha!! rsrsrsrs)

Armando S. Sousa disse...

Li e reli pelo menos o "Trinfo dos Porcos" umas dez vezes.Sendo uma clara alegoria à revolução russa de 1917, é também uma forma de gritar bem alto contra todo o tipo de ditaduras.Este texto "o sonho dos ratos" é claramente inspirado neste livro.
Um abraço.

Paulinha disse...

Linda,

Gostei mto desta história, mas o triste é que esta é uma realidade dos nossos dias.

A ganância transforma as pessoas, tornando-as completamente.

Um beijo grande!

Isabel Magalhães disse...

Todos lemos 'Animal Farm'...
Por acaso até o li antes de 1974, mas nunca é demais relembrar.

Obrigada pelo post que nos dás hoje.

Beijinhos Orwellianos! :)

Aisling disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ahraht disse...

Muito obrigado pelo teu comentário.

Li o que fizeste sobre a tua avó. É lindíssimo.

Mais uma vez muito obrigado.

CP disse...

O post é grande mas merece ser lido e retido.

wind disse...

Também li o triunfo dos porcos e este texto está de facto muito parecido. Há sempre hierarquias quando acabam as boas intenções e surge a ditadura. beijos

Alexandre Sousa disse...

Pedi espaço, agradeci e sentei-me no chão com um sorriso e ali fiquei, quedo e mudo, atento à contadora de histórias. Como noutros tempos. Adorei.
Como o livro que tb li

paper life disse...

O livro li.

E agora li este magnífico e claríssimo texto.

OBRIGADA:

Bjs.

:)

Fallen_Angel disse...

oláaaaa

bem q podemos aplicar isto as nossas vidas , olha q as vexes é axim msm q acntece.
gstei desta frase:
"O ódio a um inimigo comum tornava-os cúmplices de um mesmo desejo"

bjinho

Cristina disse...

Não conhecia, mas adorei ler...tens sempre uns posts que adoro ler e reler...

Um beijinhu para ti
:)

Dilbert disse...

Linda, mas esta história é espectacular mesmo... O Sonho dos Ratos... sim senhor :))
Uma beijoka para ti e para a Foca... e inté já...

Mocho Falante disse...

É este senho teve o condão de nos fazer ler a sua obra fantástica, 1984 é obra obra prima que nos faz pensar e relembrar que somos uma espécie bem complexada

Bom texto! Eu cá adorei

laerce disse...

Caracolinha,

Pronto, li tudo. É sempre assim e se os ratos que viraram gatos lessem (ou lerem)isto, ou o livro, nunca aceitarão que a história se refere a eles mesmos. Isso será sempre com os outros.

Um beijinho

Isabel-F. disse...

Aguçaste-me o apetite para ler o livro, que não conheço...

Sem dúvida que o Post é longo... mas lê-se com agrado...

Gostei bastante...

Bjs

Anónimo disse...

Pois, pois......
...e ainda têm a lata de me chamar utópico.

Beijocas do Cabesta

Wakewinha disse...

Infelizmente essa história não é nova, e acontece todos os dias diante dos nossos olhos!

A ganângia do ser humano elevada ao seu mais alto expoente! É triste, é muito triste...

Não tinhas que pedir desculpa pelo post longo! É longo, mas assertivo!

Beijinho*

adesenhar disse...

a leitura deste post reservo para depois das férias ok !

:)