sábado, fevereiro 11, 2006

Medos ...


O medo “racional” é preciso e necessário, é um sinal de alarme, é o despertador dos sentidos que nos mantém alerta sempre que executamos uma tarefa ou planeamos uma acção ... é o medo do medo e o seu descontrole que faz os estragos, o medo do que “aí vem”, tira-nos quase sempre a capacidade de pensar que o que “aí vem” pode significar a diferença entre o tudo e o nada. Como diz Epicuro «o medo é um microscópio que aumenta o perigo».

Viver com medo é viver fechado num mundo demasiado pequeno, feito de grades invisíveis. Viver a contar cada estímulo e sabe-los a todos de cor. É amarrar ao pé um peso que custa demasiado a arrastar. É ver sombras de horror que aparecem vindas sabe-se lá de onde e concluir-se depois que não vinham de lado nenhum ... que eram apenas reflexo de algo que transportávamos e que projectámos para o exterior como um filme que se exibe num ecran.

É querer gritar bem alto e, de cada vez que se tenta, descobrir que não se tem voz. É querer fazer do mundo um local seguro e plano para que possamos caminhar sobre ele de olhos fechados, sem apreciar o inesperado naquilo que nos rodeia. Porque não podem existir surpresas num mundo sem curvas ... na planície sabemos sempre o que vem a seguir.

Viver com medo é tirar todas as cores do quadro da vida e passar o tempo inteiro a olhar para o vazio da tela sem ter a coragem de sujar as mãos na tinta.

É planear, congeminar, exercitar cada movimento, perder a capacidade de ser genuíno, a hipótese de improvisar, o prazer da descoberta, é contentar-se com o nada que se possuí. É olhar para trás e descobrir o pouco que se tem para contar, perceber que não se coleccionaram surpresas, sustos, imprevistos, irregularidades, impossíveis.... e sonhos.

É fazer o contrário do que devia ser. É construir um inimigo e oferecer-lhe os nossos pulsos de mão beijada para que nos algeme. É ser um toxicodependente dos afectos e fazer do medo uma droga que se consome desmesuradamente, fazendo do amor que os outros nos têm uma moeda de troca para comprar adiamentos de tempo e de planos, que apenas servem para continuar a ver a vida a passar-nos ao lado e a fazer de nós os seus reféns.

É jogar às cartas e nunca ter trunfos. É comer o melhor petisco do mundo com o nariz entupido ... e não lhe sentir sequer o sabor.

É brincar à apanhada com a vida e correr sempre atrás dela ... sem nunca lhe conseguir deitar a mão.

É cortar planos pela raíz, destruir os nossos sonhos e os dos outros com apenas uma palavra, testar os limites do amor que nos têm, impor barreiras, perder a memória do “como foi bom...” e passar a viver do “eu dantes fazia...”.

E há lá coisa mais estranha do que ter pernas e não querer andar?? do que estar cansado antes de começar a correr?? de desistir antes de ter tentado?? de responder antes sequer de ouvir a pergunta??

Viver de antecipações é bom para quem não tem expectativas, para quem não confia naqueles por quem é profundamente amado, para quem nunca consegue perder a rigidez, para quem é incapaz de se deixar cair para trás, à confiança, enquanto a voz de sempre nos diz “eu seguro-te”.

Quem vive com medo fica quatro horas numa fila de trânsito porque receia experimentar um caminho novo ... sem sequer nunca pensar em tudo aquilo que podia fazer com o tempo ganho se tivesse tentado um percurso alternativo ...

Não existem lágrimas mais bem empregues do que aquelas que caem quando se experimenta algo que nos dá medo ... mal empregadas são aquelas que se derramam enquanto se fica parado por se ter horror de tentar.

Viver com medo é estar sempre alerta, é ser um péssimo gestor de energias, é como não ter dinheiro e insistir em coleccionar dívidas ao invés de as começar a pagar ... é ver uma bola de neve transformar-se numa avalanche que nos arrasta a nós e a todos aqueles que estão ao lado.

Este medo é uma parede sempre pequena para quem se esconde atrás dela e demasiado grande para todos aqueles que nos querem encontrar ... é uma âncora de ilusões que prende o nosso barco ao fundo e não nos deixa navegar ao sabor da maré.

É como fazer uma colecção de cromos e ter uma caderneta cheia de figuras iguais. É querer dançar e só saber um passo. É não saber surpreender e não deixar que nos surpreendam.

Não é viver. É sobreviver.

Caracolinha Pensativa

55 comentários:

Daniela Mann disse...

Escolheu uma belissima frase para o seu layout! Voltarei noutro dia para ler os posts com mais calma, mas gostei imenso deste blog!
felicidades

LM disse...

Caracolinha,
É essencialmente,sobreviver.
Beijinho.

Desconhecida disse...

Fantástico este texto caracolinha pensativa! É exactamente o que eu penso em relação ao medo. Mas demorei algum tempo até perceber que viver com medo não dá gozo nenhum!!!

Beijinho Desconhecido

Leonoretta disse...

é. é. é. viver com medo nao é viver, é sobreviver ou fingir que se vive. nao queria ter medo. mas tenho. mas mesmo assim arrisco. seja o que o medo quiser.

beijinhos da leonoreta

The City Lights disse...

.... , .... , ..... beeeeeemmmm caracolinha....esta foi forte.... :)
Confesso que sou uma aventureira destemida, que muitas das vezes apercebo-me inclusive das más situações,porém vou certinha lá dar....mas também foram essas mesmas situações que me tornaram prudente, astuta, em alerta para futuras situações e na altura exacta saber dizer que não.O ter medo aumenta provavelmente com a idade,mas essa maturidade tão prejudicialmente desejada, é inevitável, e quem fôr sábio, tem a capacidade de saber parar no tempo, olhar para o passado e conseguir dizer:"Sim....eu não choro o que fiz, e hoje farei ainda melhor!"....mas atenção, existe um factor que nunca se pode descurar: ninguém gosta de ser magoado,e as regras do jogo são:"Não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem a ti!"...(pano para mangas sim srª,senhora dona caracolinha!!!)
O Beijo
*
;)

Mocho Falante disse...

Amiga...sabes o medo é aquele monstro que vive por detrás do armário o qual nunca abrimos por...medo, assim ele vai ganhando uma força preversa que nos tapa o Sol e a vontade de cair num abismo sem retorno...o medo e o medo de ter medo é um artificio que arranjamos para evitar o confronto com o próprio medo, mas depois de sabermos o que o medo é e o que o medo nos faz....então aí querida amiga, não há medo que nos impeça de o matar...acretida, este é o primeiro de muitos passos

Beijos adorada caracolinha

mixtu disse...

muitas das coisas que escrevestes revejo-me, pois essa história que é necessário não ter medo, é uma parvoíce, é o medo que nos mantém vivos..,
jinhos

Abelhinha disse...

Nem mais Caracolinha.

Nada supera a sensação que é ultrapassarmos o nosso medo.

Ultimamente ando a vivenciar muito essa sensação.

Beijocas.

AS disse...

Caracolinha, um texto interessante e muito bem estruturado! As opiniões acima expressas, retiram algo ao que eu iria dizer, no entanto, há um medo que é o pior dos medos: O medo de ter medo!... E esse, leva muitas vezes a alterações significativas de personalidade

Um beijo encaracolado...sem medos!

JSilvio disse...

Nao viver..é sobreviver...
ta td dito :S
beijos e bom fim de semana**

wind disse...

Excelente texto! Assino por baixo de ti:))) beijos*

Meia Lua disse...

Medo de tantas coisas,afinal somos humanos, não somos perfeitos. Alguns tiram-nos o sono. Outros impulsionam-nos para a frente como um desafio.. há ainda aqueles em que nos sentimos frágeis... há medos para todos... só não quero o medo de viver! isso é que não...
beijinho de bom fim de semana :*

A.J.Faria disse...

Olá, Caracolinha!
O ser humano é imperfeito, o que é gerador de insegurança, que por sua vez poderá levar a situações de medo de experimentar ou viver novas situações no seu percurso existencial.
Bonito texto, excelente adjectivação na definição deste tema que é o medo.

Um grande beijinho e bom fim de semana!

laerce disse...

Olá Caracolinha pensativa.

Acho este tema muito delicado, mais do que qualquer outro, porque mexe mesmo com a nossa personalidade. É bonita a forma como o abordas e sabes muito bem que muito poderia ser dito, acho mesmo que nunca acabaria.

Mas, olha, na planície nem sempre sabemos o que vem a seguir. E se nos aparece um poço no meio do capim?


Um beijinho sem medo e viva a Sara Tavares

adesenhar disse...

pouco mais há a acrescentar ao teu texto.

faço apenas uma colagem de Vinicius de Moraes.

A maior solidão é a do ser que não ama. A maior solidão é a dor do ser que se ausenta, que se defende, que se fecha, que se recusa a participar da vida humana.

A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo, no absoluto de si mesmo,
o que não dá a quem pede o que ele pode dar de amor, de amizade, de socorro.

O maior solitário é o que tem medo de amar, o que tem medo de ferir e ferir-se,
o ser casto da mulher, do amigo, do povo, do mundo. Esse queima como uma lâmpada triste, cujo reflexo entristece também tudo em torno. Ele é a angústia do mundo que o reflete. Ele é o que se recusa às verdadeiras fontes de emoção, as que são o património de todos, e, encerrado em seu duro privilégio, semeia pedras do alto de sua fria e desolada torre.

:) encaracolado

lazuli disse...

o medo é também a antítese da coragem, o medo de morrer num campo de batalha que pode estar na esquina ali perto. Haverá coragem sem o medo?
Temos o receio, a preocupação, o bom senso e finalmente o medo. O medo de errar, o medo de viver,o medo de morrer.
É dificil muitas vezes encontrar a fronteira entre o medo e a coragem, ambos se interligam como duas faces da mesma moeda, como o yin e o yang, a noite e o dia..
Adorei ler-te e saber de ti, porque és uma pessoa que me faz viver, pois cada afecto é parte da força da vida, das nossas energias... da minha.
Adoro-te, miuda

um beijo

Eva Shanti disse...

Querida Caracolinha,

Excelente texto! Daqueles que merece ser lido e relido!

Às vezes tenho medo de não ganhar as apostas que fiz (e faço constantemente)na minha vida. Fico por uns momentos tolhida de pensamentos, mas logo abano a cabeça, abro bem os olhos e preparo-me para o caminho que tenho em frente: um passo de cada vez!

Confesso que não penso muito nisso do medo. São momentos, passam depressa.

Sou tão destemida que chego a ser a ser inconsciente. É um facto.

Mas medo a sério é o das mulheres que temem pela sua vida, que se vêem divididas entre conseguir sobreviver (aqui é mesmo sobreviver) a mais um ataque do companheiro e em ter forças de abandonar um projecto de vida com que sonharam por outro à partida menos bom.

Esse medo faz com que os nossos medos sejam tão pequeninos, tão sem importância!

Bjs com sabor a maçã

TMara disse...

pior dok sobreviver. É sobreviver em cativeiro e alimentar todos os sistemas politicos opressivos. pois é do medo k se alimentam.
bom domingo,minha crida. Bjs de luz e paz

Marketeer disse...

Conhece a cidade alentejana de Vendas Novas? A Geração VN vem convidar todos os visitantes deste blog a passar por lá! É só clicar no link! Até já!

Nina disse...

Chamo-lhe a "lei da sobrevivencia"..basta é descobrir o pk de se viver a vida desta maneira!!

Beijinhos

A .Carlos disse...

Olá Caracolinha,
Medos...todos os temos.
nâo acredito em quem diz:
-Eu não tenho medo de nada.
Têr medo é ser racional, é ser humano.
Viver com medo, é que não, viver com medo corta-nos a Vida, as sensações.

Um lindo Domingo para ti Caracolinha
Bjss
≺ A New Day ≻

paper life disse...

vim deixar-te um srriso e um beijinho.

Kalinka disse...

Olá Caracolinha:
Hoje vim com calma e tempo ler os «posts» que estavam em atraso.
Mas, vou comentar este ultimo, porque realmente ele é longo, mas diz tudo relacionado com o medo, e o que eu aprendi lendo-o...
Li sobre situações que acontecem comigo, e, cheguei à conclusão que todo o ser humano tem MEDOS durante a sua vida, uns mais que outros, lógico. Mas, o mais importante é tentarmos lutar contra esses medos, arriscando e avançando. Como dizes...quem tem medo fica 4 horas numa fila de trânsito pk receia experimentar um caminho novo...Deus me livre, nem 20 minutos eu suportava, vou mudando e explorando outros lugares por onde possa passar...TENTO...Na realidade não é VIVER, é sobreviver.
Beijokas.
Muito obrigado pelas palavras sempre simpáticas que deixas no meu kalinka. Bom início de semana.

digoeu disse...

gostei muito de ler o teu post "medos".
O medo cria cenários e tamanhos que são mentira.O medo é um exagerado.
no fear!
;)

Pitucha disse...

Infelizmente há muita gente que se contenta com o "sobreviver" em vez de procurar "viver".
Beijos cinzentos

Parrot disse...

Caracolinha,

O medo é um elemento da condição humana e, por si só, não pode ser considerado necessariamente como mau. A ausência de medo só para os loucos ou para os inconscientes. Quem nunca teve medo de perder, de não conseguir, da dor, do sofrimento, da perda….?
Viver com medo não é “viver num mundo demasiado pequeno”, a não ser que esse medo seja fruto da consciência ou de algo menos correcto.

Caracolinha, o medo não pode ser fruto do passado, daquilo que já não podemos mudar. As más experiências passadas não podem ser um condicionante para as experiências de hoje e do amanhã, mas pelo contrário, deverão ser um ensinamento. Existe sempre um bom ensinamento escondido no meio de uma experiência negativa (não me canso de dizer isto). Aqui reside a nossa capacidade de aprender e de lutar contra os nossos medos e dúvidas. Já tive um aparatoso acidente de carro. Depois disso, achas que não tive medo quando voltei a conduzir?

Ter medo, em si mesmo, não é mau, o mau é não sabermos lidar com os nossos medos.
E como é que isso se faz?
Não existem formas universais, mas acredito que devemos viver de forma desinteressada, mas responsável; estar atento ao que nos rodeia; dar o melhor de nós aos outros (no trabalho, com amigos, com a família); viver um dia de cada vez….de forma total e apaixonada; arriscar (o falhar é uma condição do sucesso); confiar em nós próprios.

Caracolinha, a vida tem destas coisas…..mas não nos pode intimidar.
Acredito no amanhã, mas para isso temos de não ter medo de viver o dia de hoje.

Beijo

Isabel-F. disse...

Caracolinha....

Que belo texto...adorei lê-lo...

viver sem arriscar não é viver...

uma semana linda para ti.

Beijinhos

lobices disse...

...mais uma folhinha de couve com um beijinho

rosa maria disse...

ter medo é natural...O que não é natural, é deixarmo-nos socumbir perante ele.
Fica um beijo

nana disse...

obrigada pela visita lá no blog!
;)

A .Carlos disse...

Olá Caracolinha,
e sem medoss te digo:
UMAAAA LINDAAAA SEMANAAAAA
;))))))
Bjss
≺ A New Day ≻

Isabel Magalhães disse...

Caracolinha;

Não é o medo que nos salva do perigo?

Um ser sem medo é um ser perigoso.

Hoje fico por aqui... como sabes o dia não foi fácil. Fiquei/estou frágil.

bjsssssss

Isabel-F. disse...

...um Feliz Dia dos Namorados.
Beijos

digoeu disse...

deixei lá umas palavrinhas sobre os medos!

ManiacaDosPorques disse...

Querida amiga caracolinha,
Concordo contigo em todas as tuas palavras... o medo de avançar esta sempre intrinsecamente presente!

Eu tenho 3 muito caracteristicos, os quais me são muito dificeis de fugir e apavoram-me cada vez que tenho indicios de os voltar a sentir mas o misterio e toda a beleza de uma existencia é estar continuamente a combate-los sempre com a mesma força, coragem e determinação...até um dia acordar e dizer "Estou livre"... e de mim fazer novamente alguém que quer mais e melhor!

Obrigada minha querida por todas as tuas palavras de intenso carinho lá no meu cantinho...de uma ou outra maneira tocas-me sempre com as tuas doces e sensiveis palavras!

Beijinhos grandes...reais ou imaginarios! ;)

Natalie Afonseca disse...

Olá querida amiga Caracolinha!!!
Pois é, o medo vive connosco...seja o que for que nos assusta de vez em quando!!! Aquela adrenalina que mexe connosco.....enfim, temos é de deixá-lo para trás e olhar em frente...seguir novos caminhos e não ter medo de saltar quando for preciso!!!
Gostei muito de ler este teu post!! Interessantíssimo, sra Psicóloga!! :)
Bem, amanha Exame de melhoria de Marketing...e assim vai ser o meu dia...estudar!!! ehehe!!

Um abraço gigante
e muitos beijinhos para ti!!

:)))))))))))))
****************

Marco Ferreira disse...

"Não existem lágrimas mais bem empregues do que aquelas que caem quando se experimenta algo que nos dá medo ... mal empregadas são aquelas que se derramam enquanto se fica parado por se ter horror de tentar."

Grande texto, sobre uma grande verdade da vida.

Devemos sempre encarar a vida de peito cheio e face às adversidades, olhar em frente e continuar.

marinheiroaguadoce a navegar

EU nos dias e Hoje disse...

Olá amiga,

Já respondi ao teu desafio:) como tens estado?
Beijocas, finalmente ganhámos:)

SaltaPocinhas disse...

Pois... o medo leva-nos a não fazer certas coisas, mas também é ele que muitas vezes nos salva a vida. Eu tenho uma colecção razoável de medos, infelizmente!

Paulo Figueiredo disse...

tenho medo, de não ter tempo para viver tudo o que quero viver

Rui disse...

Eu tenho medo de ter medo.

Betty Branco Martins disse...

Caracolinha

Excelente texto sobre um tema que é comum ao ser humano.

É verdade: "Viver com medo é viver fechado num mundo demasiado pequeno, feito de grades invisíveis".

Mas também é verdade: Que o medo faz-nos construir o impossivel para alcançar a forma de destruir essa grades.

Beijinhos

Xuinha Foguetão disse...

Caracolinha,

que pensamento tão bem conseguido! :)

Há que saber lidar com o medo...

Beijocas grandes.

Nilson Barcelli disse...

No essencial estou de acordo contigo
Mas às vezes é preciso avaliar os riscos para, como dizes, nos manter alerta.
A propósito dos riscos e dos perigos, que são coisas diferentes, o Epicuro não tinha razão quando disse "o medo é um microscópio que aumenta o perigo". O perigo é sempre o mesmo, mas o medo, se excessivo, faz aumentar a avaliação do risco que corremos.
Exemplo curriqueiro de perigo/risco:
Um buraco numa estrada é um perigo. De dia o risco de metermos o carro no buraco é menor do que durante a noite. O perigo é sempre o mesmo, só o risco é que varia, em função da probabilidade e da amplitude da ocorrência.
(Desculpa o tom professoral...).
Beijinhos querida amiga.

nasnalgas disse...

Posto isto, do que estás à espera?
Suja as mãos nessa tinta as vezes que forem necessárias, suja-te toda se for preciso. Faz a vida ganhar a cor que tu mais gostas...por favor.

Mitsou disse...

Absolutamente genial e tão verdadeiro, este texto!
Adorei, adorei, adorei.

Hoje deixo só o beijinho e depois volto para ler os atrasados.

Até amanhã, minha linda!

Su disse...

adorei ler teu texto
gostei
jocas maradas

Natalie Afonseca disse...

Querida amiguinha,
entre pausas de estudo ( da qual já estou pelos cabelos e cansada), po aqui passei para te mandar beijocas ....

Espero que estejas bem :)))))))))

P.s. acabaram-se as tuas respostas aos comentários aqui deixados?? Hehhe!!
Brincando, na boa! E percebo...

Abraçooooo :)))))))))))))

musqueteira disse...

Viva Caracolina,
Uma coisa é certa... sobre o medo e a sua escala prioritária... neste momento o meu maior medo é ser privada de comer caracois e beber umas cervejas lá para os lados da Graça...quando vier o Verão;););)Ah...e a nossa amiga Reda Solta também gosta desse petisco e da dita esplanada. Enfim... este medo... são coisas da Senhora Vesícula;)

1entre1000's disse...

Oh my GOD!!!
Deixas-te-me com medo de ter medo...

Isabel Magalhães disse...

Caracolinha,

Como é que eu posso ter deixado escapar esta?

No primeiro comentário 'dra' é nome próprio ou apelido?

Não ligues, ainda são efeitos da retrete autofabricada! hihihi!

Beijinhos molusca cherie! :)

Kalinka disse...

Caracolinha
Voltei a passar por aqui, é a 2ª vez, comentando sobre este post.
Se no 1º comentário falei sobre o teu artigo, agora digo que muito aprendi com o que li também nos 50 comentários aqui colocados.
Estás de Parabéns!
Consegues mover multidões.
Beijokinhas.

Wakewinha disse...

Depois de te ter lido com a máxima atenção eu ia dizer exactamente o que tu acabaste a dizer na tua última frase. Por isso, e como me roubaste as palavras da boca - ou neste caso, das mãos - resta-me apena parabenizar-te pelo magnífico texto que aqui construíste!

Um grande beijinho de bom fim-de-semana*

igo... disse...

Adorei o post, eu sou um bocado fobico... logo às vezes tenho medos irracionais... mas vontade e muita força, tenho conseguido superar os meus medos. Parabéns pelo post. Um beijo, gmc

Anónimo disse...

Enjoyed a lot! »